Como fazer uma redação nota 1000 no ENEM

Faaaaaaaaaaala, Queridão ou Queridona! Tudo belezinha?

Espero que já tenha escrito bastante este ano, estou certo? Hum… Não senti firmeza. Sim, eu leio pensamentos enquanto escrevo, por isso é bom ficar atent@, porque eu estou vigiando cada um.

O que eu estou fazendo aqui? Puxando orelha? Ainda não, guerreir@! Estou aqui para perguntar se você já sabe como tirar aquela NOTA 1000 na redação? Não sabe ainda? Imaginei. Então, hora de fortalecer os estudos. Pront@? Então, bora lá!

É impressionante como ainda há estudantes que não se deram conta do poder que a redação tem no exame. Você consegue ter ideia de que metade da sua aprovação depende dela? Talvez até tenham noção, mas continuam dando mais atenção a todas as outras áreas e deixando a produção textual para o péssimo e velho improviso. O momento mais importante do ENEM não pode se resumir a um improviso. NUNCA! Escrever é se preparar todos os dias.

Então, vamos às dicas!

Entenda os critérios – isso quer dizer que, antes de começar a escrever desenfreadamente, é muito importante entender o que é a redação. E como fazer isso? Conhecendo os critérios de avaliação, descritos nas competências. Pense que são APENAS cinco. Mas são elas que determinarão o seu sucesso. Por isso, dê-lhes a devida atenção. Embora seja considerada mais subjetiva, a prova de redação é bastante técnica, isso porque você precisa seguir criteriosamente os itens exigidos pela banca.

Não basta dominar a norma culta da língua escrita, compreender a proposta, selecionar, organizar e interpretar as informações, conhecer os mecanismos linguísticos para construir uma boa argumentação e propor uma solução plausível sem ferir os direitos humanos, se você não souber organizar primeiramente a sua escrita, colocar as palavras certas nos parágrafos certos.

Organize o texto – para começo de conversa, você deve estar careca de saber que o gênero textual é o dissertativo-argumentativo. Nele devem estar bem estruturadas a introdução – onde você deve apresentar o tema e dar ênfase à tese -, o desenvolvimento – reservado aos argumentos que irão sustentar a tese apresentada na introdução – e a conclusão – a parte mais importante das redações NOTA 1000. Por que a conclusão é a mais importante? Porque é nela que o candidato vai reforçar seu entendimento pelo tema e trazer à tona seu ponto de vista para apresentar a proposta de intervenção. Pense que existe uma COMPETÊNCIA EXCLUSIVA para este item. Isso já é motivo de sobra para ficar atento.

E o título? – desencane! Exatamente. O título não é obrigatório, sua redação não vai receber pontos extras se ele existir, então desencane. No entanto, caso resolva criar um título, que seja criativo, com poucas palavras, sem pontuação (a não ser que se trate de uma oração) e que esteja realmente de acordo com a temática. CUIDADO: não use o tema dado pela prova para criar o título. Detalhe: a maioria das redações nota 1000 não apresentou título. Portanto, relaxe!

Evite os clichês – os chavões podem fazer com que você perca pontos na redação sim. Isso porque a banca não quer ler algo que todo mundo conhece e usa exaustivamente, pois demonstra falta de originalidade e autoria ao escrever.

Leia com calma os textos motivadores e o tema – uma das grandes falhas dos estudantes na hora de produzir o texto é a pressa. Como minha avó dizia quando tínhamos pressa para algo: “Alguém vai tirar o pai da forca?”. Está certo que há um tempo limite para a produção. Mas, lembre-se de que você se preparou para isso. Não dar a devida atenção para os textos motivadores e principalmente para o tema, pode levar sua redação ao desastre total. E o que não queremos neste momento é um desastre, não é mesmo? Por isso, muita calma na leitura e interpretação do tema para que você consiga apresentar fatos e argumentos com clareza.

Mantenha a COERÊNCIA! – uma redação nota 1000 precisa manter as ideias bem organizadas, com lógica. É isso que prova a familiaridade do estudante com a leitura e a escrita. Mas, tome cuidado para não abusar dos argumentos e acabar apresentando algum que não se conecte aos demais. Também tome cuidado para que a proposta de intervenção não seja utópica ou que beire o radical. Seja coerente!

Use o vocabulário com sabedoria – eu quero dizer que de nada adianta usar palavras difíceis e rebuscadas, se o texto não for objetivo. Abusar de ironias também é um erro. Seja o MAIS SIMPLES POSSÍVEL. Outra informação que pode ser de seu interesse é: mesmo que você fosse Machado de Assis, o ENEM não iria permitir que usasse palavras que não fazem parte do vocabulário oficial da língua portuguesa. Portanto, nada de inventar vocábulos, ok?

Não seja um viciado – nem mesmo quando o assunto for LINGUAGEM. Sabe aquelas expressões “Há cinco anos atrás…”, “Criar novas ideias…”… Evite! Usar vícios de linguagem como pleonasmos, por exemplo, só vai demonstrar que você não tem domínio suficiente de palavras e expressões para elaborar um texto de qualidade.

Você pode deve substituir a 1ª pessoa do plural pela 3ª do singular – não quer dizer que usar a 1ª pessoa do plural esteja errado em relação ao texto ser dissertativo-argumentativo, mas pode fazer com que seu texto perca pontos. NEM PENSE EM USAR A 1ª PESSOA DO SINGULAR!

AS DICAS DE OURO

Treine a caligrafia – não fique achando que estão fazendo bullying com você. A banca não vai ficar adivinhando o que está escrito. Se não entenderem, tiram ponto. Simples assim. Além do mais, o tamanho da letra também é relevante. Quando a letra for muito grande, a banca pode considerar ocupação exagerada de espaço para poder fechar o máximo de linhas exigidas. Treine!
Saiba usar os conectivos – conectar as partes do texto através de conjunções e preposições fazem parte da coesão. Todavia, FIQUEM ATENTOS! O uso irregular de conectivos levam à incoerência e, consequentemente, ao terceiro critério de avaliação. Tenha propósito para o “No entanto”, o “Ademais”, o “Assim”, o “Todavia”, o “Além do mais”, entre outros. Não os deixe enfeitando o texto. Podem até parecer “bonitinhos”, mas não corretos.

Pratique! – a prática leva à excelência. Portanto, leia e escreva muito.

Informe-se! – não fique inventando argumentos ou suposições. A banca não quer saber do seu “achismo”. Por isso, estude, leia muito, não fique preso à televisão ao à internet. Desconfie de tudo que lê. Aprofundar-se nos assuntos que você vê em telejornais ou na internet. Busque as causas e consequências para os fatos, pois é isso que vai fazer você criar bons argumentos e/ou resolver as questões de atualidades.

Assista a documentários, leia sobre história, filosofia e sociologia para manter-se informado e obter argumentos para sua redação.

A CEREJA DO BOLO

Use uma citação de autoridade – não é um “beijinho no ombro pro recalque passar longe” que vai ser seu grande trunfo, mas frases como a de uma estudante para o tema “OS EFEITOS DA IMPLANTAÇÃO DA LEI SECA NO BRASIL”, no ENEM de 2013. Veja: “ao contrário do que o filósofo Sartre afirmava, o inferno deixe de ser os outros, os quais não sabem usufruir da sua liberdade.E, de quebra, se possa viver em um país livre de atitudes inconsequentes.” Ou mesmo como uma outra estudante para o tema “A PERSISTÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA SOCIEDADE BRASILEIRA”, de 2015, onde ela citava: “Contrariando a célebre frase de Simone de Beauvoir ‘Não se nasce mulher, torna-se mulher’, a cultura brasileira, em grande parte, prega que o sexo feminino tem a função social de se submeter ao masculino, independentemente de seu convívio social, capaz de construir um ser como mulher livre”. Note o domínio delas sobre essas duas citações. Por isso, selecione algumas frases filosóficas e separe-as por temas. Entenda o propósito de tais frases e estude as causas para que tenham sido ditas. Pronto. Mesmo quem não goste de cereja vai passar a comer.

Resumindo geral:

domine a norma culta da Língua Portuguesa
estruture bem os parágrafos
argumente com fundamentos bem elaborados
seja competente ao selecionar, relacionar e organizar as informações e argumentos
diversifique os recursos coesivos
desenvolve o tema com coerência
respeite os direitos humanos

Com essas dicas, tenho certeza de que não faltarão motivos para comemorar a NOTA 1000!
Partiu?