Ciências Humanas: ENEM

Voltar

Ciências Humanas: ENEM

1) A hospitalidade pura consiste em acolher aquele que chega antes de lhe impor condições, antes de saber e indagar o que quer que seja, ainda que seja um nome ou um “documento” de identidade. Mas ela também supõe que se dirija a ele, de maneira singular, chamando-o portanto e reconhecendo-lhe um nome próprio: “Como você se chama?” A hospitalidade consiste em fazer tudo para se dirigir ao outro, em lhe conceder, até mesmo perguntar seu nome, evitando que essa pergunta se torne uma “condição”, um inquérito policial, um fichamento ou um simples controle das fronteiras. Uma arte e uma poética, mas também toda uma política dependem disso, toda uma ética se decide aí.

DERRIDA, J. Papel-máquina. São Paulo: Estação Liberdade, 2004 (adaptado).

Associado ao contexto migratório contemporâneo, o conceito de hospitalidade proposto pelo autor impõe a necessidade de

a) anulação da diferença.
b) cristalização da biografia.
c) incorporação da alteridade.
d) supressão da comunicação.
e) verificação da proveniência.

2) Em sentido geral e fundamental, Direito é a técnica da coexistência humana, isto é, a técnica voltada a tornar possível a coexistência dos homens. Como técnica, o Direito se concretiza em um conjunto de regras (que, nesse caso, são leis ou normais); e tais regras têm por objeto o comportamento intersubjetivo, isto é, o comportamento recíproco dos homens entre si.

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

O sentido geral e fundamental do Direito, conforme foi destacado, refere-se à

a) aplicação de códigos legais.
b) regulação do convívio social.
c) legitimação de decisões políticas.
d) mediação de conflitos econômicos.
e) representação da autoridade constituída.

3) O processamento da mandioca era uma atividade já realizada pelos nativos que viviam no Brasil antes da chegada de portugueses e africanos. Entretanto, ao longo do processo de colonização portuguesa, a produção da farinha foi aperfeiçoada e ampliada, tornando-se lugar comum em todo o território da colônia portuguesa na América. Com a consolidação do comércio atlântico em suas diferentes conexões, a farinha atravessou os mares e chegou aos mercados africanos.

BEZERRA, N. R. Escravidão, farinha e tráfico atlântico: um novo olhar sobre as relações entre o Rio de Janeiro e Benguela (1790-1830). Disponível em: www.bn.br. Acesso em: 20 ago. 2014 (adaptado).

Considerando a formação do espaço atlântico, esse produto exemplifica historicamente a

a) difusão de hábitos alimentares.
b) disseminação de rituais festivos.
c) ampliação dos saberes autóctones.
d) apropriação de costumes guerreiros.
e) diversificação de oferendas religiosas.

4) A maior parte das agressões e manifestações discriminatórias contra as religiões de matrizes africanas ocorrem em locais públicos (57%). É na rua, na via pública, que tiveram lugar mais de 2/3 das agressões, geralmente em locais próximos às casas de culto dessas religiões. O transporte público também é apontado como um local em que os adeptos das religiões de matrizes africanas são discriminados, geralmente quando se encontram paramentados por conta dos preceitos religiosos.

REGO, L. F.; FONSECA, D. P. R.; GIACOMINI, S. M. Cartografia social de terreiros no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2014.

As práticas descritas no texto são incompatíveis com a dinâmica de uma sociedade laica e democrática porque

a) asseguram as expressões multiculturais.
b) promovem a diversidade de etnias.
c) falseiam os dogmas teológicos.
d) estimulam os rituais sincréticos.
e) restringem a liberdade de credo.

5) Na maior parte da América Latina, os museus surgiram no século passado, fundados com a intenção de “civilizar”, ou seja, de trazer para o Novo Mundo os padrões científicos e culturais das nações colonizadoras. Os museus seriam, dessa forma, instituições transplantadas, criadas dentro dos ideais positivistas de progresso. Não por acaso, ficaram, em sua maior parte, sujeitos aos moldes clássicos, a partir da valorização de aspectos da cultura erudita, fortemente associados à elite. Era necessário, pois, assumir uma função social de maior alcance e ocupar um espaço relevante, capaz de atrair grande quantidade de público.

BARRETO, M. Turismo e legado cultural. Campinas: Papirus, 2002 (adaptado).

A transformação de um número cada vez mais expressivo de museus latino-americanos em espaços destinados a atividades lúdicas e reflexivas está associada ao rompimento com o(a)

a) ideal de educação tradicional.
b) utilização de novas tecnologias.
c) modelo de atrações segmentadas.
d) participação do setor empresarial.
e) resgate de sentimentos nacionalistas.

6) As pessoas do Rio de Janeiro se fazem transportar em cadeirinhas bem douradas sustentadas por negros. Esta cadeira é seguida por um ou dois negros domésticos, trajados de librés mas com os pés nus. Se é uma mulher que se transporta, ela tem frequentemente quatro ou cinco negras indumentadas com asseio; elas vão enfeitadas com muitos colares e brincos de ouro. Outras são levadas em uma rede. Os que querem andar a pé são acompanhados por um negro, que leva uma sombrinha ou guarda-chuva, como se queira chamar.

LARA, S. H. Fragmentos setecentistas. São Paulo: Cia. das Letras, 2007 (adaptado).

Essas práticas, relatadas pelo capelão de um navio que ancorou na cidade do Rio de Janeiro em dezembro de 1748, simbolizavam o seguinte aspecto da sociedade colonial:

a) A devoção de criados aos proprietários, como expressão da harmonia do elo patriarcal.
b) A utilização de escravos bem-vestidos em atividades degradantes, como marca da hierarquia social.
c) A mobilização de séquitos nos passeios, como evidência do medo da violência nos centros urbanos.
d) A inserção de cativos na prestação de serviços pessoais, como fase de transição para o trabalho livre.
e) A concessão de vestes opulentas aos agregados, como forma de amparo concedido pela elite senhorial.

7)  O gesto representado no quadro simboliza uma diferença entre o império napoleônico e a monarquia absolutista, por

a) reduzir a autoridade do clero.
b) instaurar a censura da imprensa.
c) controlar a organização judiciária.
d) suspender as pensões da nobreza.
e) desrespeitar a propriedade privada.

DAVID, J-L. A coroação de Napoleão (detalhe). Óleo sobre tela, 621 x 979 cm. Louvre, França, 1807. Disponível em: http://theweddingtiara.com. Acesso em: 8 abr. 2015.

 

 

8) Lei n. 3 353, de 13 de maio de 1888.

A Princesa Imperial Regente, em nome de Sua Majestade o Imperador, o Senhor D. Pedro II, faz saber a todos os súditos do Império que a Assembleia-Geral decretou e ela sancionou a lei seguinte:
Art. 1º: É declarada extinta desde a data desta lei a escravidão no Brasil.
Art. 2º: Revogam-se as disposições em contrário.
Manda, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida lei pertencer, que a cumpram, e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém.
Dada no Palácio do Rio de Janeiro, em 13 de maio de 1888, 67º ano da Independência e do Império. Princesa Imperial Regente.

Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 6 fev. 2015 (adaptado).

Um dos fatores que levou à promulgação da lei apresentada foi o(a)

a) abandono de propostas de imigração.
b) fracasso do trabalho compulsório.
c) manifestação do altruísmo britânico.
d) afirmação da benevolência da Corte.
e) persistência da campanha abolicionista.

9) O século XVIII é, por diversas razões, um século diferenciado. Razão e experimentação se aliavam no que se acreditava ser o verdadeiro caminho para o estabelecimento do conhecimento científico, por tanto tempo almejado. O fato, a análise e a indução passavam a ser parceiros fundamentais da razão. É ainda no século XVIII que o homem começa a tomar consciência de sua situação na história.

ODALIA, N. In: PINSKY, J.; PINSKY. C. B. História da cidadania. São Paulo: Contexto. 2003.

No ambiente cultural do Antigo Regime, a discussão filosófica mencionada no texto tinha como uma de suas características a

a) aproximação entre inovação e saberes antigos.
b) conciliação entre revelação e metafísica platônica.
c) vinculação entre escolástica e práticas de pesquisa.
d) separação entre teologia e fundamentalismo religioso.
e) contraposição entre clericalismo e liberdade de pensamento.

10)

Disponível em: www.biologiasur.org. Acesso em: 4 jul. 2015 (adaptado).

A dinâmica hidrológica expressa no gráfico demonstra que o processo de urbanização promove a

a) redução do volume dos rios.
b) expansão do lençol freático.
c) diminuição do índice de chuvas.
d) retração do nível dos reservatórios.
e) ampliação do escoamento superficial.

Resoluções

1) Alternativa C.

Podemos interpretar, pelo trecho, que o filósofo Derrida acredita que a hospitalidade consiste no exercício de acolher o outro e respeitar a diversidade que esse revela. Isto é, é preciso incorporar a alteridade, que é a “natureza ou condição do que é outro, do que é distinto”, em definição.

2) Alternativa B.

O trecho deixa claro que o sentido geral e fundamental do Direito gira em torno da  coexistência humana, por isso, é preciso que haja regulação do convívio social. Essa regulação se aproxima ao contratualismo, que é a ideia de que a sociedade possui um comum acordo, com o intuito de que alcançar um determinado fim, que seria a convivência. Cria-se leis, morais, costumes e instituições reguladoras.

3) Alternativa A.

O texto fala do processamento da mandioca, porém não podemos esquecer do comércio de produtos nativos, de ambos lados do oceano, que modificou e enriqueceu o conhecimento e os hábitos alimentares.

4) Alternativa E.

As discriminações contra as religiões de matrizes africanas ocorrem, principalmente, em locais públicos, como assinalou o texto. Isso comprova que essas ações hostis foram naturalizadas e são legitimadas socialmente, pois quem o faz não tem medo de represálias.
Sem punições, os crentes dessas religiões se sentem acuados, ferindo o direito à liberdade de culto e o princípio da isonomia dos cidadãos, ambos assegurados pela Constituição Brasileira.

5) Alternativa A.

Ao propor atividades lúdicas e reflexivas em museus, rompe-se com o ideal de educação tradicional, pois ensinam autonomia e criticidade aos alunos. Desse modo, também se valoriza os povos e as culturas da América Latina.

6) Alternativa B.

Somada a situação de escravidão, os negros eram colocados em situações degradantes, como se fossem um troféu para demonstrar o quão alto seus “donos” estavam na hierarquia social. Para essa demonstração, os negros eram “bem-vestidos”, ostentando poder e riqueza de seus senhores, mesmo que em atividades degradantes.

7) Alternativa A.

O gesto representado na obra é símbolo da ruptura dos protocolas usados nas sagrações absolutistas, que pregavam a origem divina para o poder político. Assim, é emblemático Napoleão retirar de Papa Pio VII a coroa e colocar sobre sua própria cabeça.
Napoleão é considerado um divulgador dos ideais burgueses e liberais, principalmente no que fiz respeito ao anticlericalismo e a defesa dos direitos naturais.

8) Alternativa E.

A principal causa para a Lei entrar em vigor foram os movimentos abolicionistas daquela década. Aliado a esses movimentos, jornais antiescravistas e advogados – que estavam abrindo processos de alforria – começaram a aumentar a pressão para a abolição da escravatura. Os pronunciamentos antiescravistas no Parlamentos e os esforços sociais também contribuíram.

9) Alternativa E.

Ao ler o texto, vemos que o período referido é o Iluminismo, já que ressalta a importância da ciência e da razão. Esse movimento filosófico valorizava a liberdade, a emancipação, e o sujeito, sendo a liberdade e a emancipação adquiridas pela razão e o sujeito estando em foco por uma postura anticlerical.

10) Alternativa E.

A urbanização gera maior área asfaltada e também é propensa a ter mais edificações, o que intensifica a impermeabilização do solo, ou seja, não há solo/terra disponível para a água penetrar ou escoar. Podemos comprovar isso pela linha contínua (não urbanizada) do gráfico, que tem vazão em menor tempo do que a tracejada (urbanizada).