fbpx

10 questões de interpretação de texto (ENEM)

Voltar

Questões sobre interpretação de texto: ENEM

ENEM 2019

1)  De vez em quando, nas redes sociais, a gente se pega compartilhando notícias falsas, fotos modificadas, boatos de todo tipo. O problema é quando a matéria é falsa. E, pior ainda, se é uma matéria falsa que não foi criada por motivos humorísticos ou literários (sim, considero o “jornalismo ficcional” uma interessante forma de literatura), mas para prejudicar a imagem de algum partido ou de algum político, não importa de que posição ou tendência. Inventa-se uma arbitrariedade ou falcatrua, joga-se nas redes sociais e aguarda-se o resultado. Nesse caso, a multiplicação da notícia falsa (que está sempre sujeita a ser denunciada juridicamente como injúria, calúnia ou difamação) se dá em várias direções. Antes de curtir, comentar ou compartilhar, procuro checar as fontes, ir aos links originais. TAVARES, B. Disponível em: www.cartafundamental.com.br. Acesso em: 20 jan. 2015 (adaptado).

O texto expõe a preocupação de uma leitora de notícias on-line de que o compartilhamento de conteúdos falsos pode ter como consequência a

a) displicência natural das pessoas que navegam pela internet.

b) desconstrução das relações entre jornalismo e literatura.

c) impossibilidade de identificação da origem dos textos.

d) disseminação de ações criminosas na internet.

e) obtenção de maior popularidade nas redes.

 

2) 19-11-1959

Eu a conheci da primeira vez em que estive aqui. Parece-me que é esquizofrênica, caso crônico, doente há mais de vinte anos — não estou bem certa. Foi transferida para a Colônia Juliano Moreira e nunca mais a vi. […] À tarde, quando ia lá, pedia-lhe para cantar a ária da Bohème, “Valsa da Musetta”. Dona Georgiana, recortada no meio do pátio, cantava — e era de doer o coração. As dementes, descalças e rasgadas, paravam em surpresa, rindo bonito em silêncio, os rostos transformados. Outras, sentadas no chão úmido, avançavam as faces inundadas de presença — elas que eram tão distantes. Os rostos fulgiam por instantes, irisados e indestrutíveis. Me deixava imóvel, as lágrimas cegando-me. Dona Georgiana cantava: cheia de graça, os olhos azuis sorrindo, aquele passado tão presente, ela que fora, ela que era, se elevando na limpidez das notas, minhas lágrimas descendo caladas, o pátio de mulheres existindo em dor e beleza. A beleza terrífica que Puccini não alcançou: uma mulher descalça, suja, gasta, louca, e as notas saindo-lhe em tragicidade difícil e bela demais — para existir fora de um hospício. CANÇADO, M. L. Hospício é Deus. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

O diário da autora, como interna de hospital psiquiátrico, configura um registro singular, fundamentado por uma percepção que

a) atenua a realidade do sofrimento por meio da música.

b) redimensiona a essência humana tocada pela sensibilidade.

c) evidencia os efeitos dos maus-tratos sobre a imagem feminina.

d) transfigura o cotidiano da internação pelo poder de se emocionar.

e) aponta para a recuperação da saúde mental graças à atividade artística

 

3)

No que diz respeito ao uso de recursos expressivos em diferentes linguagens, o cartum produz humor brincando com a:

a) caracterização da linguagem utilizada em uma esfera de comunicação específica.

b) deterioração do conhecimento científico na sociedade contemporânea.

c) impossibilidade de duas cobras conversarem sobre o universo.

d) dificuldade inerente aos textos produzidos por cientistas.

e) complexidade da reflexão presente no diálogo.

 

4) A mídia divulga à exaustão um padrão corporal determinado, padrão único, branco, jovem, musculoso e, especialmente no caso do corpo feminino, magro. Pesquisas apontam para o fato de que esse padrão de beleza divulgado se aplica apenas de 5 a 8% da população mundial. Especialmente no Brasil, onde a diversidade é uma característica marcante, a mídia no geral acaba por mostrar seu desprezo pela riqueza de tipos, de raças, pela própria mestiçagem, insistindo num padrão único de beleza tanto para mulheres quanto para homens. MALDONADO, G. A educação física e o adolescente: a imagem corporal e a estética da transformação na mídia impressa. Revista Mackenzie de Educação Física e Esportes, n. 1, 2006 (adaptado).

Em relação aos aspectos do padrão corporal dos brasileiros, compreende-se que esta população:

a) é caracterizada pela sua rica diversidade.

b) possui, em sua maioria, mulheres obesas.

c) está devidamente representada na grande mídia.

d) tem padrão de beleza idêntico aos demais países.

e) é composta, na maioria, por pessoas brancas e magras.

 

5) 10 anos de “hashtag”: a ferramenta que mobiliza a internet

A “hashtag”, ícone das redes sociais, celebrou em 2017 seus primeiros 10 anos de uso no acompanhamento dos grandes eventos mundiais com um efeito de mobilização e expressão de emoção e humor. A palavra-chave precedida pelo símbolo do jogo da velha foi popularizada pelo Twitter antes de ser incorporada por outras redes sociais. A invenção foi de Chris Messina, designer americano especialista em redes sociais. Em 23 de agosto de 2007, o usuário intensivo do Twitter propôs em um tuíte usar o jogo da velha para reagrupar mensagens sobre um mesmo assunto. Ele lançou, então, a primeira “hashtag” #barcamp sobre oficinas participativas dedicadas à inovação na web. O compartilhamento das palavras-chaves — que já são citadas 125 milhões de vezes por dia no mundo — já serviu de trampolim para mobilizações em massa. Alguns slogans que tiveram grande efeito mobilizador foram o #BlackLivesMatter (Vidas negras importam), após a morte de vários cidadãos americanos negros pela polícia, e #OccupyWallStreet (Ocupem Wall Street), referente ao movimento que acampou no coração de Manhattan para denunciar os abusos do capitalismo. AFP. Disponível em: http://exame.abril.com.br. Acesso em: 24 ago. 2017 (adaptado).

Ao descrever a história e os exemplos de utilização da hashtag, o texto evidencia que:

a) a incorporação desse recurso expressivo pela sociedade impossibilita a manutenção de seu uso original.

b) a incorporação desse recurso expressivo pela sociedade o flexibilizou e o potencializou.

c) a incorporação pela sociedade caracterizou esse recurso expressivo de forma definitiva.

d) esse recurso expressivo se tornou o principal meio de mobilização social pela internet.

e) esse recurso expressivo preciso

 

ENEM 2018

6) Texto I

Disponível em: http://revistaiiqb.usac.edu.gt. Acesso em: 25 abr. 2018 (adaptado).

TEXTO II

Imaginemos um cidadão, residente na periferia de um grande centro urbano, que diariamente acorda às 5h para trabalhar, enfrenta em média 2 horas de transporte público, em geral lotado, para chegar às 8h ao trabalho. Termina o expediente às 17h e chega em casa às 19h para, aí sim, cuidar dos afazeres domésticos, dos filhos etc. Como dizer a essa pessoa que ela deve praticar exercícios, pois é importante para sua saúde? Como ela irá entender a mensagem da importância do exercício físico? A probabilidade de essa pessoa praticar exercícios regularmente é significativamente menor que a de pessoas da classe média/alta que vivem outra realidade. Nesse caso, a abordagem individual do problema tende a fazer com que a pessoa se sinta impotente em não conseguir praticar exercícios e, consequentemente, culpada pelo fato de ser ou estar sedentária. FERREIRA, M. S. Aptidão física e saúde na educação física escolar: ampliando o enfoque. RBCE, n. 2,jan. 2001 (adaptado).

O segundo texto, que propõe uma reflexão sobre o primeiro acerca do impacto de mudanças no estilo de vida na saúde, apresenta uma visão

a) medicalizada, que relaciona a prática de exercícios físicos por qualquer indivíduo à promoção da saúde.

b) ampliada, que considera aspectos sociais intervenientes na prática de exercícios no cotidiano.

c) crítica, que associa a interferência das tarefas da casa ao sedentarismo do indivíduo.

d) focalizada, que atribui ao indivíduo a responsabilidade pela prevenção de doenças.

e) geracional, que preconiza a representação do culto à jovialidade.

 

7) Vó Clarissa deixou cair os talheres no prato, fazendo a porcelana estalar. Joaquim, meu primo, continuava com o queixo suspenso, batendo com o garfo nos lábios, esperando a resposta. Beatriz ecoou a palavra como pergunta, “o que é lésbica?”. Eu fiquei muda. Joaquim sabia sobre mim e me entregaria para a vó e, mais tarde, para toda a família. Senti um calor letal subir pelo meu pescoço e me doer atrás das orelhas. Previ a cena: vó, a senhora é lésbica? Porque a Joana é. A vergonha estava na minha cara e me denunciava antes mesmo da delação. Apertei os olhos e contraí o peito, esperando o tiro. […] […] Pensei na naturalidade com que Taís e eu levávamos a nossa história. Pensei na minha insegurança de contar isso à minha família, pensei em todos os colegas e professores que já sabiam, fechei os olhos e vi a boca da minha vó e a boca da tia Carolina se tocando, apesar de todos os impedimentos. Eu quis saber mais, eu quis saber tudo, mas não consegui perguntar. POLESSO, N. B. Vó, a senhora é lésbica? Amora. Porto Alegre: Não Editora, 2015 (fragmento)

A situação narrada revela uma tensão fundamentada na perspectiva do

a) conflito com os interesses de poder.

b) silêncio em nome do equilíbrio familiar.

c) medo instaurado pelas ameaças de punição.

d) choque imposto pela distância entre as gerações.

e) apego aos protocolos de conduta segundo os gêneros.

 

8) O trabalho não era penoso: colar rótulos, meter vidros em caixa, etiquetá-las, selá-las, envolvê-las em papel celofane, branco, verde, azul, conforme o produto, separá-las em dúzias… Era fastidioso. Para passar mais rapidamente as oito horas havia o remédio: conversar. Era proibido, mas quem ia atrás de proibições? O patrão vinha? Vinha o encarregado do serviço? Calavam o bico, aplicavam-se ao trabalho. Mal viravam as costas, voltavam a taramelar. As mãos não paravam, as línguas não paravam. Nessas conversas intermináveis, de linguagem solta e assuntos crus, Leniza se completou.  Isabela, Afonsina, Idália, Jurete, Deolinda – foram mestras. O mundo acabou de se desvendar. Leniza perdeu o tom ingênuo que ainda podia ter. Ganhou um jogar de corpo que convida, um quebrar de olhos que promete tudo, à toda, gratuitamente. Ficou mais quente. A própria inteligência se transformou. Tornou-se mais aguda, mais trepidante. REBELO, M.A estrela sobe. Rio de Janeiro. José Olympio, 2009.

O romance, de 1939, traz à cena tipos e situações que espelham o Rio de Janeiro daquela década. No fragmento, o narrador delineia esse contexto centrado no

a) julgamento da mulher fora do espaço doméstico.

b) relato sobre as condições de trabalho no Estado Novo.

c) destaque a grupos populares na condição de protagonistas.

d) processo de inclusão do palavrão nos hábitos de linguagem.

e) vínculo entre as transformações urbanas e os papéis femininos.

 

9) “Acuenda o Pajubá”: conheça o “dialeto secreto” utilizado por gays e travestis.

Com origem no iorubá, linguagem foi adotada por travestis e ganhou a comunidade “Nhaí, amapô! Não faça a loka e pague meu acué, deixe de equê se não eu puxo teu picumã!” Entendeu as palavras dessa frase? Se sim, é porque você manja alguma coisa de pajubá, o “dialeto secreto” dos gays e travestis. Adepto do uso das expressões, mesmo nos ambientes mais formais, um advogado afirma: “É claro que eu não vou falar durante uma audiência ou numa reunião, mas na firma, com meus colegas de trabalho, eu falo de ‘acué’ o tempo inteiro”, brinca. “A gente tem que ter cuidado de falar outras palavras porque hoje o pessoal já entende, né? Tá na internet, tem até dicionário…”,  comenta. O dicionário a que ele se refere é o Aurélia, a dicionária da Ungua afíada, lançado no ano de 2006 e escrito pelo jornalista Angelo Vip e por Fred Libi. Na obra, há mais de 1 300 verbetes revelando o significado das palavras do pajubá. Não se sabe ao certo quando essa linguagem surgiu, mas sabe-se que há  claramente uma relação entre o pajubá e a cultura africana, numa costura iniciada ainda na época do Brasil colonial. Disponível em: www.midiamax.com.br. Acesso em: 4 abr. 2017 (adaptado)

Da perspectiva do usuário, o pajubá ganha status de dialeto, caracterizando-se como elemento de patrimônio linguístico, especialmente por

a) ter mais de mil palavras conhecidas.

b) ter palavras diferentes de uma linguagem secreta.

c) ser consolidado por objetos formais de registro.

d) ser utilizado por advogados em situações formais.

e) ser comum em conversas no ambiente de trabalho.

 

10)

Disponível em: www.facebook.com/omeusegredinho.Acesso em: 9 dez. 2017 (adaptado)

Essa imagem ilustra a reação dos celíacos (pessoas sensíveis ao glúten) ao ler rótulos de alimentos sem glúten. Essas reações indicam que, em geral, os rótulos desses produtos

a) trazem informações explícitas sobre a presença do glúten.

b) oferecem várias opções de sabor para esses consumidores.

c) classificam o produto como adequado para o consumidor celíaco.

d) influenciam o consumo de alimentos especiais para esses consumidores.

e) variam na forma de apresentação de informações relevantes para esse público.

 

Resoluções comentadas

1)  Alternativa D.

O texto deixa claro que a leitora considera o “jornalismo ficcional”, que é inventar notícias para fins humorísticos ou literários, válido, porém em seguida assinala que quando as notícias falsas não tem esse viés e só querem prejudicar algum partido ou algum político o crime se torna uma realidade. E essas notícias falsas são disseminadas e compartilhadas pelos usuários da internet, que não checam fontes e veracidade.

2) Alternativa B.

O texto é cheio de adjetivação e de sentimentalismo que redimensionam a tristeza das pacientes do hospício para uma humanidade. Vejamos: “As dementes, descalças e rasgadas, paravam em surpresa, rindo bonito em silêncio, os rostos transformados.”

3) Alternativa A.

Sabemos que a linguagem se adapta segundo o meio que está inserida. É comum que questões mais específicas de alguma área se tornem inteligíveis para leigos. Esse é o caso do meio científico e, mais especificamente, dos físicos/astrônomos, que lidam com conceitos sobre o universo.

4) Alternativa A.

Apesar da mídia divulgar como ideal estético e como padrão de beleza o indivíduo homem, branco, jovem e musculoso (ou magro quando for um corpo feminino), a realidade da população brasileira não é assim. Nossos corpos são múltiplos e diversos.

5) Alternativa B

A utilização das hashtags possibilitou agrupar pessoas que falam sobre o mesmo assunto, o que facilita a troca de informações. O símbolo de jogo da velha não serve apenas para sinalizar as hashtags, mas atualmente a sociedade incorporou esse símbolo e o potencializou, como uma ferramenta de seleção de assunto e também de movimentos sociais.

6) Alternativa B.

Ao passo que o texto I prega a falta de exercício físico como “preguiça”, o texto II demarca que não fazer exercícios físicos abrange muito mais do que querer ou não, envolve questões sociais. No texto II temos a descrição de uma pessoa com rotina exaustiva, além de trabalhar fora de casa tem que trabalhar em casa, e que por essas questões não quer deixar de descansar para praticar exercícios físicos.

7) Alternativa B.

A personagem opta pelo silêncio para que o equilíbrio familiar seja mantido, pois tem receio do que vão fazer e falar, já que os protocolos de conduta segundo os gêneros são muito fortes.

8) Alternativa E.

O texto nos mostra a inserção das mulheres no mercado de trabalho, que ocorreu segundo uma mudança de cenário urbano: as mulheres podiam trabalhas nas fábricas. Essa mudança, de ambiente doméstico para ambientes fabris, também mudou o comportamento e os pensamentos das mulheres, como vemos em “Leniza perdeu o tom ingênuo que ainda podia ter.” e em “Ficou mais quente. A própria inteligência se transformou. Tornou-se mais aguda, mais trepidante.”

9) Alternativa C.

A razão do “Pajubá” ter status de dialeto foi por ele ter sido colocado em um dicionário, que chama Aurélia, dicionário da língua afiada. Esse registro confirma e consolida a existência.

10) Alternativa E.

As informações do rótulo não são suficientes para orientar as pessoas celíacas (intolerantes ao glúten) sobre ingerir ou não determinado produto, apenas reforçam a importância do que pode ser escrito nas embalagens para que se tornam de fato informativas. As múltiplas reações diante dos rótulos elucidam a variação com que eles aparecem.