Como é o curso de Engenharia de Alimentos?

Voltar

Nesse post vamos explicar um pouco sobre o curso, sua nota de corte, relação candidato vaga e as áreas de atuação.

Sobre o curso

Via de regra, o curso forma um profissional multidisciplinar, capaz de atuar em ambientes abrangentes. É um curso de grau bacharel e tem duração média de cinco anos.

Nos dois primeiros anos, as disciplinas das ciências básicas são ministradas, já que é um curso de engenharia, então há muita Matemática, Física e Química. Junto a essas matérias básicas, no segundo ano os alunos já são inseridos em matérias mais específicas, como “Química e Microbiologia dos Alimentos”.

A partir do terceiro, começam as disciplinas da área de engenharia aplicada, como por exemplo as Operações Unitárias, Refrigeração, Engenharia Bioquímica e Controle de Processos. Essas disciplinas são mescladas com outras disciplinas de caráter tecnológico, como por exemplo as Tecnologias de Leite e Derivados, de Cacau e Chocolate, de Carne e Derivados, de Álcool e de Bebidas Fermentadas.

No terceiro e no quarto ano, as disciplinas das humanidades se tornam evidentes, tais como Economia, Gestão, Administração e Distribuição. Por fim, no quinto ano, o aluno passa por disciplinas de planejamento e projeto, que centram o aprendizado no ambiente prático, com estágio em indústria.

A interdisciplinaridade do curso vem justamente pela sua responsabilidade, já que influencia na alimentação dos seres sociais e consequentemente na qualidade de vida e na saúde deles. Assim, é muito importante se construir uma base crítica também, o engenheiro de alimentos tem que ter opiniões formadas e sólidas sobre as questões de sua profissão. Por exemplo, se questionado sobre os transgênicos, deve saber opinar e sustentar seus argumentos.

Para que se tenha um bom resultado, é preciso que se tenha um diálogo constante com a Biologia, por exemplo, pois assim se compreende a relação entre a comida e os processos que passa no organismo humana, bem como quais reflexos causam. Outra área interligada é a de Administração e Economia, pois o futuro profissional poderá prestar consultas e avaliar produtos.

Atrelado a essa responsabilidade, a profissão é regulamentada, o que significa que o engenheiro de alimentos deve obter um registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA) do estado em que trabalha.

Grade curricular

Vejamos algumas disciplinas que podem ser encontradas na grade curricular:

  • Bioquímica de Alimentos;
  • Embalagens;
  • Higiene e Sanificação;
  • Microbiologia de Alimentos;
  • Processos de Conservação;
  • Química Analítica;
  • Resíduos da Indústria de Alimentos;
  • Tecnologia e processamento de Alimentos;
  • Toxicologia, entre outras disciplinas.

 

O que faz o engenheiro de alimentos?

A atuação pode ocorrer em todas as etapas da cadeia produtiva de produtos alimentícios, desde o mais básico, como a seleção das matérias-primas, até a distribuição do produto pronto. Dentro das fases intermediárias temos as elaborações de fórmulas, o processo produtivo e o processo de armazenamento.

Como formado na produção de alimentos em escala industrial, o engenheiro desenvolve e cria novas técnicas, maquinários e softwares para otimizar os processos produtivos. Assim, ele é responsável por fabricar, conservar, armazenar e transportar alimentos. As fórmulas que cria tem como finalidade determinar a cor, o sabor, a consistência do alimento e o valor nutricional do alimento.

Além dessa área, o profissional também pode atuar no controle de qualidade e no tratamento de resíduos. No primeiro, organiza métodos e sistemas para garantir a qualidade e no segundo define o que pode ser descartado e de que maneira, e o que pode ser reciclado ou reaproveitado.

Assim, o campo de atuação pode ser em empresas, autônomo (prestando consultoria) ou até em órgãos públicas, na vigilância e fiscalização sanitária.

 

Vestibular e perfil profissional

No vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) de 2021, por exemplo, o número de candidatos inscritos para o curso Engenharia de Alimentos na USP foi de 249. O curso funciona no campus de Pirassununga, na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). A nota de corte foi de 35 pontos, em ampla concorrência, sendo 28 vagas ofertadas para 531 inscritos (candidato vaga: 19).

O perfil dessa profissão é gerencial, que consiga dirigir e operar o controle de indústrias ou desenvolver e implementar sistemas e programas que racionalmente garantam a qualidade dos produtos. É importante ressaltar que o engenheiro de alimentos também deve ser uma pessoa comunicativa, que tenha uma boa oratória, pois é da sua alçada a área do marketing, das vendas, do convencimento.

É muito importante que o estudante faça, para desenvolver essas habilidades, estágios em empresas ou então participe de algum projeto de extensão da universidade. Além disso, é comum que durante o curso os alunos tenham que desenvolver trabalhos de “análise sensorial”, em que os alimentos desenvolvidos por eles são testados e avaliados outras pessoas da comunidade escolar, alunos de outros cursos, por exemplo, e também é aberto para pessoas da comunidade local.

Ah, vale lembrar que não só os alimentos são estudados, mas também as bebidas, inclusive é um mercado de atuação que está em alta e que movimento muito o mercado econômico. Empresas como Ambev e o grupo Petrópolis estão contratando cada vez mais graduandos de engenharia de alimentos. As empresas agrícolas também são potenciais contratantes, já que nosso país exporta muita commodities e nossa agricultura é muito forte.

 

Gostou do curso??? Estude conosco para alcançar sua vaga e nos siga no Instagram para mais informações!!